quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Do copo ás prostitutas

A alma e a carne fazem parte do mesmo destino
É nisso que se transforma o homem: estomago e sexo,
e vísceras, unidades pulsantes desse complexo.
E nesse conjunto compõe a alma esse intestino.

É isso que te torna cadáver: o estômago, a alma
E os pulmões, e esse amor asmático, placebo.
E na figura tremula de teus nervos, percebo
a imagem incontestável de teu câncer.

É contestado em laudos que tua doença
não tem cura, foi na usura que tornas te
irremediavelmente incapacitado.


Foi assim: entre alcoólatras e prostitutas
que surgiu em ti essa imagem absurda.
Nas vísceras, no copo e no cadáver.

2 comentários:

Maria disse...

num sei pq, mas tenho a impressão de já ter fisto algo parecido com isso... essa parte que diz estômago e alma... sei lá... :S

;*

Betania disse...

Somos doentes msm...doentes de alma,dentro de nós ha uma doença,uma q nao conhecemos q nós proprio inventamos e cultivamos...para futuramente morrermos como pessoas doentes...doentes de si...