sábado, 1 de dezembro de 2007

II (Antes de estar longe)

É como velhice estancada, no compasso
Traços demarcados num conjunto simbiótico
é parte de mim como antibiótico
é o que permanece vivaz e sádico

Mas o desleixo, compassivo...
Transforma, nos deixando corrosivos.
Quem dera desatar todo o tempo
e sermos novamente singelo invento.

Tratar da memória, coisa que estertora...
Vingar-se do destino, coisa que é errada
Foi pela simbiose de nossos tempos
que este ser intocável trabalhava.

E é assim, como quem respira...
A facilidade de manter-se em equilíbrio
a busca de manter empregado esse destino.
somos inventados, entrelaçados, e algo mais.

Antes de estar longe, morrerei duas vezes:
por depois de enterrado, decomposto e fecundo.
ficando distante de qualquer coisa que seja tua,
e próximo da eterna saudade... Em Altivez.

3 comentários:

Betania disse...

Oi!ficou muito bom adoreiiiiiiiiii!Não sei como vc consegui escrever tantas coisas lindas juntas...É possivel escrever assim?kkkkk É possivel quando e vc q escreve,quando e vc q transfoma todasessas palavras em um contexto de emoções,de pensamentos q ultrapassam os limites da vontade de ñ sentir o q se é transmitido por vc.......ich liebe dich...muito bom msm.

Betania disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Cleide disse...

aew! contextualizar é um boa.
biologia. literatura. hahaha gostei. :D

enfim... =*